Home » Retiro mensal » QUANTO A TI, SEGUE-ME!

QUANTO A TI, SEGUE-ME!


Administrador A.O. | 19 julho, 2019

COMPARTILHE ESTA PAGINA


Depois de sua ressurreição, Jesus perguntou a Pedro três vezes se ele o amava.
Ele respondeu sim três vezes. Um pouco mais adiante Pedro demonstra preocupação do que aconteceria com o discípulo João. Então ele perguntou a Jesus: “Senhor,e deste, que será?” Jesus rebateu a pergunta e disse: “Que te importa? Quanto a ti, segue-me!” (Jo. 21,15-22).
Nesse ano, estamos meditando em nossos retiros mensais o despertar vocacional, um caminho de escuta, resposta e missão. Vamos nesse encontro refletir sobre o chamado de Pedro.

• MATERIAL PARA ESSE RETIRO

Bíblia, caderno de oração e uma vela.

• AMBIENTAÇÃO

O lugar de sua oração deve ser tranquilo e, se possível, afastado dos barulhos e das distrações.
Agora acenda a vela e coloque-a em sua frente. Inicie esse momento consagrando-o a Deus através do sinal da nossa redenção: Em nome do Pai, do Filho e do Espírito Santo. Amém.
Reze esta oração vocacional abrindo-se generosamente a Deus e a sua santa vontade: “Senhor da messe, Pastor do rebanho,faz ressoar em meus ouvidos teu forte e suave chamado: “Vem e segue-me!”.

Derrama sobre mim o teu Espírito, que Ele me dê sabedoria para ver o caminho e generosidade para seguir tua voz! Senhor, que a messe não se perca por falta de operários! Que o rebanho não pereça por falta de Pastores! Por isso, chama-me para o serviço de teu povo. Maria, Mãe da Igreja, modelo dos servidores do Evangelho, ajuda-me a responder: “SIM”.  Amém”.
Toda oração é ouvida e respondida por Deus. Faça silêncio interior e ouça o Senhor.

• LEITURA

Leia o Evangelho de João, capítulo 21,15-22. Detenha-se nos versículos 20 a 22. Em oração, repita três vezes esses versículos e vá absorvendo essa palavra de salvação.
A preocupação de Pedro a respeito do futuro do seu amigo João quase o desviou do chamado do Mestre. Após Pedro afirmar por três vezes que amava Jesus, ele deixou-se levar pelo afeto ao seu coirmão com quem convivera durante três anos.

Por outro lado, Pedro acabava de ouvir uma palavra muito difícil. “Você vai morrer” dolorosamente. Seu primeiro pensamento foi comparação. E João? Se tenho que sofrer, será que ele tem que sofrer? Se meu ministério terminar assim, será que o dele também terminará assim?

Se eu não conseguir viver uma longa vida de ministério frutífero, será que ele viverá?
Coloque-se no lugar de Pedro e veja quantos afetos e comparações podem estar dificultando a sua resposta ao chamado de Deus.

• MEDITAÇÃO

Podemos aproveitar essa passagem bíblica para refletirmos sobre a crise vocacional de nossa época. No passado, um jovenzinho já sabia, mais ou menos, o que deveria ser na vida adulta. Desde muito cedo eles eram preparados para serem pais de famílias, homens
íntegros e honrados.

Hoje, porém, vemos uma quantidade imensa de “adultos adolescentes”, que não assumiram as suas responsabilidades e, com 40 anos de idade, ainda dependem dos pais; começam várias faculdades e cursos, mas não os concluem; fazem teste de aptidão, teste vocacional, pesquisam, pesquisam, mas não se encontram.

As pessoas não conseguem mais fazer escolhas definitivas porque não querem se sacrificar.
Notem a abordagem dos chamados testes vocacionais: tudo gira em torno do bem-estar e da realização pessoal. Vocação, por outro lado, trata de relação. Se existe um chamado, significa que existe alguém que chama (Deus).

O sentido está para além da pessoa e implica uma saída de si mesmo para corresponder à voz de Deus. Em linhas gerais, descobrir a própria vocação significa descobrir como você vai doar a sua vida pelos outros, pelo chamado que você recebe. E o movimento da realização humana está em sair de si para amar, o movimento contrário, aquele que volta para si, gera angustia, insatisfação, irrealização e frustração.

• ORAÇÃO

Abra-se à voz de Deus e reze entregando a Ele todos os apegos, afetos que te aprisionam, comparações que desmotivam, medo do futuro. Entregue a Deus seus pais, irmãos, filhos, cônjuge. Eles não foram confiados por Deus a você para impedi-lo de responder ao chamado divino. Eles são dons de Deus.
Livremente ore Àquele que te chama e confia a Ele todas as preocupações.

• CONTEMPLAÇÃO

Agora acolha, no silêncio, na escuta, na obediência, as inspirações, sinais e manifestações que Deus pode dar-lhe.
Seja dócil. A felicidade não está no que passa, mas no Eterno. Tudo ao nosso redor um dia passará. Só Deus não muda, Ele não passará. Ele é a fonte da eterna felicidade.

Marcos Roberto de Oliveira

Deixe um comentário

Current month ye@r day *