Home » Liturgia » Evangelho (Lc 12,54-59)

Evangelho (Lc 12,54-59)


Administrador A.O. | 25 outubro, 2019

COMPARTILHE ESTA PAGINA


Naquele tempo, Jesus dizia também às multidões: Quando vedes uma nuvem vinda do ocidente, logo dizeis que vem chuva. E assim acontece. Quando sentis soprar o vento sul, logo dizeis que vai fazer calor. E assim acontece. Hipócritas! Sabeis avaliar o aspecto da terra e do céu.

Como é que não sabeis avaliar o tempo presente? Por que não julgais por vós mesmos o que é justo? Quando, pois, estás indo com teu adversário apresentar-te diante do magistrado, procura resolver o caso com ele enquanto ainda a caminho. Senão ele te levará ao juiz, o juiz te entregará ao oficial de justiça, e o oficial de justiça te jogará na prisão. Eu te digo: dali não sairás, enquanto não pagares o último centavo.

Meditação: Como é que vocês não sabem interpretar o tempo presente?

Jesus estava chamando a atenção para uma coisa muito simples: não perder a hora da graça. Aquela era a hora do Messias, a realização da grande promessa de Deus. A hora da graça tinha chegado e as pessoas não estavam percebendo. Reconheciam as mudanças de tempo, sabiam se ia chover, se o inverno seria bom… mas, não estavam reconhecendo os sinais que indicavam o novo tempo que Deus marcou para a humanidade, o tempo do enviado, o tempo da salvação.

Com o advento das redes sociais, onde qualquer um  pode escrever qualquer coisa ou editar qualquer foto ou vídeo, muita gente vive em sobressaltos, pelas fake news. É uma nova cegueira. Deixam-se ofuscar pela mentira, pelo jogo ideológico e em vez de enxergar uma igreja missionária, movida pelo Espírito Santo, enchem-se de suspeita e passam a disseminar a divisão na própria Igreja
.
No tempo de Jesus, muita gente preferiu ver nele um perigo, um falso profeta, um agente de satanás. Assim, fecharam os olhos para a manifestação de Deus, na pessoa do seu Filho encarnado, amigo dos pobres e dos pecadores.

Na verdade, encontravam assim boas desculpas para se esquivarem do grande apelo de conversão, de mudança de vida, de fazerem-se próximos dos que estavam caídos à beira da estrada (como na história do bom samaritano).
É o que Jesus estava e está cobrando. Não deixemos a hora da graça passar, reconheçamos a hora de Deus em nossa história.

Pe. João Carlos Ribeiro

Deixe um comentário

Current month ye@r day *