Home » Doutrinal » A Via Sacra e as almas do Purgatório

A Via Sacra e as almas do Purgatório


Administrador A.O. | 18 março, 2019

COMPARTILHE ESTA PAGINA


Poucas coisas há que sejam tão eficazes para conceder o repouso eterno às almas dos fiéis defuntos como a devoção da Via Sacra. Consideremos este santo exercício, primeiro em si mesmo e, depois, nas indulgências com que é enriquecido.

Em si mesmo, trata-se de uma maneira solene e muito excelente de meditar sobre a Paixão de nosso Salvador, sendo, por consequência, o mais salutar exercício de nossa santa religião. Literalmente falando, a Via Crucis, como também é chamada, ou simplesmente “Caminho da Cruz”, é o trajeto percorrido pelo Deus humanado enquanto Ele carregava o peso de sua cruz, desde o pretório de Pilatos, onde foi condenado à morte, até o alto do Calvário, onde foi crucificado.

Após a morte de seu divino Filho, a bem-aventurada Virgem Maria, seja sozinha seja em companhia das santas mulheres, frequentemente repetia aquele doloroso caminho. Seguindo o seu exemplo, os fiéis da Palestina — e no correr dos anos numerosos peregrinos de países os mais distantes — procuraram visitar aqueles santos lugares, cobertos pelo suor e pelo sangue de Jesus Cristo; e a Igreja, a fim de encorajar-lhes a piedade, abriu a esses peregrinos seus tesouros de bênçãos espirituais.

Como, porém, nem todos podem ir à Terra Santa, a Santa Sé autorizou que fossem erigidas, nas igrejas e nas capelas de todo o mundo, cruzes, pinturas ou baixos-relevos representando as tocantes cenas que se passaram na estrada verdadeira ao Calvário, em Jerusalém.

Ao permitir a construção dessas santas “estações”, como são chamadas, os Pontífices Romanos, que compreendiam toda a excelência e eficácia desta devoção, se dignaram também enriquecê-las de todas as indulgências que tinham uma visita de verdade à Terra Santa.

Ainda hoje, segundo o Manual das Indulgências, “concede-se indulgência plenária ao fiel que fizer o exercício da via-sacra, piedosamente”, podendo essa indulgência aplicar-se aos defuntos como sufrágio e levando-se em conta o seguinte (conc. 63):

“O piedoso exercício deve-se realizar diante das estações da via-sacra, legitimamente eretas.
Requerem-se catorze cruzes para erigir a via-sacra; junto com as cruzes, costuma-se colocar outras tantas imagens ou quadros que representam as estações de Jerusalém.

Conforme o costume mais comum, o piedoso exercício consta de catorze leituras devotas, a que se acrescentam algumas orações vocais. Requer-se piedosa meditação só da Paixão e Morte do Senhor, sem ser necessária a consideração do mistério de cada estação.
Exige-se o movimento de uma para a outra estação. Mas, se a via-sacra se faz publicamente e não se pode fazer o movimento de todos os presentes ordenadamente, basta que o dirigente se mova para cada uma das estações, enquanto os outros ficam em seus lugares.”

Mencione-se ainda que a Via Sacra é um ato de piedade com o qual se pode ganhar a indulgência plenária em cada dia do ano. O mesmo se dá com a “adoração ao Santíssimo Sacramento pelo menos por meia hora” (conc. 3); a “leitura espiritual da Sagrada Escritura ao menos por meia hora” (conc. 50) e a “recitação do Rosário de Nossa Senhora na igreja, no oratório ou na família ou na comunidade religiosa ou em piedosa associação” (conc. 48).

Estamos falando, portanto, de uma devoção que, seja por conta da excelência de seu objeto, seja em razão das indulgências que lhe são anexas, constitui um sufrágio de altíssimo valor para as santas almas do Purgatório.

Encontramos um exemplo disso na vida da Venerável Irmã Maria de la Antigua, que por muito tempo teve o piedoso costume de fazer as Estações da Cruz todos os dias para o alívio das almas falecidas; mas depois, por motivos injustificados, começou a fazê-las raramente, até finalmente omiti-las por completo.

Nosso Senhor, que sempre teve grandes desígnios para essa piedosa virgem, e que desejava fazer dela uma vítima de amor para consolo das pobres almas do Purgatório, dignou-se dar-lhe uma lição que serve de aprendizado para todos nós.

Uma religiosa do mesmo convento em que ela vivia, e que morrera há não muito tempo, apareceu-lhe dizendo em tom de lamento: “Minha querida irmã, por que deixaste de fazer as Estações da Cruz pelas almas no Purgatório? Antes, tu tinhas o costume de aliviar-nos todos os dias por meio deste piedoso exercício, mas agora… por que nos privas desta assistência?”

Enquanto ainda falava esta alma, Nosso Senhor mesmo apareceu a sua serva e reprovou-lhe a negligência. “Fica sabendo, minha filha”, Ele acrescentou, “que as Estações da Cruz são muito proveitosas às almas no Purgatório e constituem um sufrágio do mais alto valor.

Eis o porquê de eu haver permitido que esta alma, para seu próprio bem e para o bem de outros, te viesse implorar esse ato de misericórdia. Fica sabendo também que foi por conta de tua fidelidade na prática desta devoção que foste favorecida com uma frequente comunicação com os mortos.

É por esta razão também que aquelas almas, agradecidas, não cessam jamais de rezar por ti, e de defender a tua causa no tribunal da minha justiça. Torna conhecida, pois, às tuas irmãs este tesouro, e dize-lhes para colher dele abundantes frutos, para si mesmas e para as almas dos fiéis defuntos.”

Referências

Texto escrito a partir de trecho da obra “Purgatory: Explained by the Lives and Legends of the Saints” (p. 2, c. XXV), Londres: Burns & Oates, 1893, pp. 191-193.

Padre Paulo Ricardo

Deixe um comentário

Current month ye@r day *