Home » Parábolas » A história do monge no poço

A história do monge no poço


Administrador A.O. | 25 setembro, 2018

COMPARTILHE ESTA PAGINA


Um monge caminhava por uma estrada quando, surgiu um homem do meio do mato. Era um homem jovem alto e com olhos muito tristes.

Assustado, o monge parou e perguntou se poderia fazer algo por ele. O homem abaixou os olhos e falou baixinho e envergonhado:

– Sou um criminoso, um ladrão. Perdi o afeto de meus pais e dos meus amigos.

Como quem afunda na lama, tenho praticado crime após crime. Tenho medo do futuro e não sinto sossego por nenhum instante.

E, se ajoelhando, o homem pediu:

Será que o senhor, um monge, pode me livrar desse sofrimento, dessa angústia?”

O monge, que tinha ouvido tudo em silêncio, olhou nos olhos daquele homem e instantes depois disse:

– Estou com muita sede. Há alguma fonte por aqui?

Surpreso coma pergunta do monge, o jovem respondeu:

– Sim, há um poço logo ali, mas não tem como pegar a água. Mas tenho aqui uma corda que posso amarrar na sua cintura e descê-lo para dentro do poço. Assim o senhor poderá tomar água e matar sua sede. E, quando estiver satisfeito, me avise que eu o puxarei para cima.

O monge sorrindo, aceitou a ideia e logo em seguida estava dentro do poço.

Pouco depois, o monge gritou: “pode me puxar!”

O homem deu um puxão na corda fazendo bastante força. Mas nada do monge subir. Era estranho, pois parecia que a corda estava mais pesada agora do que antes.

Depois de várias tentativas frustradas para fazer com que o monge subisse, o homem esticou o pescoço pela borda do poço, e observou o escuro de dentro do poço para ver o que se passava lá no fundo.

Qual não foi sua surpresa ao ver o monge firmemente agarrado a uma grande pedra que havia na lateral. Por um momento o jovem ficou mudo de espanto. Mas logo em seguida gritou zangado:

– Hei, que é isso? O que o senhor está fazendo aí? Pare já com essa brincadeira boba! Está escurecendo, logo será noite. Vamos, largue essa pedra para que eu possa puxá-lo!

De dentro do poço o monge pediu calma ao rapaz, explicando:

– Calma, você é grande e forte, mas mesmo com toda essa força não consegue me puxar se eu ficar assim agarrado a esta pedra. É exatamente isso que está acontecendo com você. Você se considera um criminoso, um ladrão, uma pessoa que não merece o amor e o afeto de ninguém. E se encontra firmemente agarrado a essas idéias. Desse jeito, mesmo que eu ou qualquer outra pessoa faça grande esforço para reerguê-lo, não vai adiantar nada.

O monge concluiu:

Tudo depende de você. Somente você pode resolver se vai continuar agarrado ou se vai se soltar. Se quer realmente mudar, é necessário que se desprenda dessas idéias negativas que o vêm mantendo no fundo do poço. Desprenda-se e liberte-se!

Que lições para a vida você pode tirar deste fato?

Vivemos nesta vida agarrado às coisas pequenas, tem gente brigando por causa de dinheiro, carros, casas, ficando com o coração preso nas coisas que passam, que se acabam e que a gente não pode levar para a eternidade.

O Papa Francisco disse certa vez que “nunca viu um caminhão de mudança atrás de um enterro”.

Esquecemos que de fato somos filhos de Deus. Como diz o caminhoneiro: “Eu não sou dono do mundo, mas sou filho do Dono”. Ora, se somos herdeiros do céu; por que se apegar à Terra?

De que vale a terra quando pensamos no céu? Não foi por pouco que Jesus aceitou descer do céu, nascer numa pobre manjedoura e morrer numa dolorosa cruz.

http://www.vozesdapaz.com.br

Deixe um comentário

Current month ye@r day *