ALPHA E OMEGA
 
 
     
 

Home » Espiritualidade » A Pobreza em nossa vocação

A Pobreza em nossa vocação


sergioluiz | 18 junho, 2012

COMPARTILHE ESTA PAGINA


Bendito seja Deus pelos por esses anos de Fundação da Comunidade Católica Alpha e Omega.

Durante esse tempo, somos testemunhas de quantas graças o Senhor vem derramando sobre sua Igreja, através desta “vocação”, uma Obra Sobrenatural, magnífica, ‘um caminho de felicidade’, um caminho de união, de amizade com o Autor do nosso chamado. Que o Criador de tudo receba a nossa gratidão por, desde de toda eternidade, ter gerado o nosso lugar, a nossa vocação, a nossa vida. Como comunidade somos chamados a abraçar uma vida de entrega, mergulhados em uma ‘grande benção’ que o Senhor nos convida, emergida pela ratificação do nosso batismo, de uma maneira mais intensa, aos consagrados que se sentem chamados a vivê-la como vocação especifica: o conselho evangélico da Pobreza.

“Ser pobre é, em primeiro lugar, estar nas mãos de Deus”. A grande maioria das pessoas, quando verdadeiramente começam a descobrir o Senhor e, de diversas formas, experimentar o Amor de Deus (através dos seminários de vida no Espírito Santo, orações, Celebrações Eucarísticas, etc) logo sentem a necessidade de se desprenderem daquilo que pode vir a dificultar o relacionamento mais intimo com Ele, e mesmo aqueles que já possuem um longo tempo de caminhada, sentem o quanto é fundamental estar livres para fazer a vontade de Deus.

A pobreza nada mais é do que essa liberdade diante do materialismo pregado pelo mundo. Somos pobres na medida em que nos despojamos da falsa mentalidade de que “é preciso ter muitos bens”, quando partilhamos o que temos e somos, quando confiantemente cremos que Deus nos dará o essencial para nossa vida e felicidade. Na Comunidade o Senhor nos convida a, alegremente, vivermos este belo chamado de fé, tanto na Comunidade de Vida como na Comunidade de Aliança.

“Nós irmãos da Comunidade de Vida somos chamados a viver a experiência de total abandono de nossas vidas nas mãos de Deus, de viver diretamente a total ‘dependência’ do querer divino”. Em tudo! Desde o seu sustento básico, pois somos mantidos pela Providencia do Senhor, que se manifesta das mais diversas formas (doações, dizimo, comunhão de bens por parte da Obra, etc) “A economia do Reino de Deus é a Divina Providência”. Assim, todos os irmãos da Comunidade de Vida nada possuam como propriedade pessoal, mas tenham como diz nossas Constituições a comunhão total de bens em primeiro lugar “EM NOSSOS CORAçõES”.

O caminho de pobreza para nós comunidade de Vida é o não possuir nada, sendo livres para partilharem em nossas vidas uns com os outros, com a Igreja, com o mundo, desde a administração daquilo que Deus nos confia pessoalmente ( um numero limite de roupas como nos é estipulado e utensílios em geral, as residências da Comunidade, alimentação, vestuário, centros de evangelização e outras necessidades da Obra, buscando a sobriedade no vestir, no falar e em nossas atitudes, agir com moderação e buscar, seja qual for o ambiente no qual Deus nos chame ao anuncio do Evangelho, dos locais mais simples aos mais suntuosos), ser reflexo do Cristo pobre, que despojou-se de tudo para perfeitamente servir.

“Os irmãos da Comunidade de Aliança, mesmo não renunciando à posse dos bens materiais, são chamados por Deus a viverem o espírito evangélico da pobreza, expresso em: ‘Buscai primeiro o Reino de Deus e tudo mais vos será dado por acréscimo’ (Lc 12,13)”.

A Comunidade de Aliança é chamada, num profundo espírito de humildade, a dispor daquilo que o próprio Deus lhe concedeu: profissões, tempo, bens etc. vivendo num mundo extremamente consumista, estes irmãos são luz e testemunho da liberdade de quem necessita em primeiro lugar, abandonado a “idolatria do possuir”, ser livre para o serviço.

Os irmãos da Comunidade de Aliança tenham em mente que tudo o que possuem é dom de Deus.
Assim, tendo a consciência de que Deus é o verdadeiro dono de tudo o Alpha e Omega, o Principio e o Fim, os membros da Comunidade de Aliança vivem o abandono, administrando os “dons” do Senhor, sejam eles ricos materialmente ou não. Com isso, juntamente aos Conselhos Castidade e Obediência, Deus nos concede este seguro caminho de santidade, para que, livres de quaisquer empecilhos, sirvamos uns aos outros, partilhemos o que temos e somos buscando nos assemelhar a Jesus Pobre e Despojado.

Pe. Emilio Carlos Mancini
Fundador da Comunidade Alpha e ômega

Deixe um comentário